Click para ir para a página principal...!

 



É um passeio de lazer,  realizado com auxilio de Rood-Book, mas a organização propõe aos participantes , simultaneamente, um conjunto de exercícios denominado Trans-Ronda-Cultural. 

Na Trans-Ronda-Cultural os participantes têm de ter em consideração a regularidade (com margem folgada), para poderem cumprir os horários,  nas chegadas de cada secção, a fim de quebrar atrasos propositados, nos estradões convidativos a umas velocidades superiores e algumas atravessadelas.

É proposta uma regularidade absoluta (média de 20hm/h) afim de evitar situações menos agradáveis com G. Florestal.

São propostos alguns questionários e passeios a pé pelas levadas;  nalguns postos de controlo é verificado se a viatura vem com os médios acesos como é regra.

Nos postos de controlo, durante a noite, estão sempre dois ou três controladores a 10, 20 metros das  placas de controlo,  para os participantes sentirem  o escuro da noite,  enfim tudo isto faz com que esta festa do TT seja diferente.

Nos passados dias 16, 17 e 18 do mês de Março de 2001 aconteceu mais uma edição da Ronda dos Castanheiros que este ano surgiu mais cedo,  por trocas de datas com o outro evento “Raid Pic-Nic MADEIRA”,  também organizado por este Clube.

Esta alteração surgiu por opção da organização,  que resultou em pleno, segundo opinião dos participantes,  dado que se excluiu a grande quantidade de poeira que acontecia na outra data (Setembro),  para lhes oferecermos pisos húmidos e escorregadios, bem como trialeiras, umas com valas acentuadas outras com imensos calhaus,  que mais parecia ribeiras,  mas tudo isto bem ao jeito dos TêTistas.

A organização depois de idealizar todo o traçado passou ao terreno ainda no passado mês de Novembro de 2000,  mas aconteceu que a partir de 15 de Dezembro, quando começaram a surgir os temporais, cada semana que a organização fazia um reconhecimento do traçado,  deparava-se com tantas árvores caídas que optou por fazer reconhecimentos dos percursos secção por secção, dado que cada uma dela ocupava um dia, com os trabalhos de limpeza das nossas serras, a custo zero para os organismos responsáveis.  

Para que não houvesse falhas dois dias antes do evento aconteceu o último reconhecimento do percurso, sempre com a habitual trabalheira de corte de árvores dado os grandes ventos que se tinham feito sentir dias antes.

No que diz respeito á informática, podemos dizer que a maior intensidade de trabalho começou na segunda-feira anterior ao evento desde as 8 da manhã até á meia-noite, quando não passava e mesmo assim as últimas impressões foram feitas durante a verificação.

Ás 19h00 de 16 de Março era dia de verificação e os participantes chegavam ao secretariado do evento e conferiam-se todos os dados das pessoas que iriam estar presentes no dia do evento dentro da viatura para fins de seguros e mesmo os dados da viatura. Seguidamente o participantes fazia-se acompanhar duma carta de verificação onde iria ao parque de verificações técnicas para os comissários verificarem: os selos de seguro; imposto circulação; o de inspecção em caso disso; se estão calçados com pneus de tracção e o estado de conservação. Por fim dirigiam-se ao secretariado a fim de entregarem a carta de controlo e receberem todas as documentações e publicidades obrigatórias fornecidas pela organização.  

É de realçar que esta organização tornou obrigatório que a viatura esteja devidamente inspeccionada, legalizada, em bom estado de conservação que ofereça aparentemente o mínimo de segurança. Tudo isto tem sido exigido para segurança dos participantes e seus acompanhantes.

No sábado pelas 8h00 estava previsto a chegada dos participantes, mas ainda eram 7h00 já apareciam alguns. Às 8h00 foi servido o pequeno-almoço seguido respectivo "briefing".

Eram 8h15 saíam para a estrada os primeiros dois carros da organização munidos de moto-serras que muito trabalho fizeram durante o evento, onde um deles levava um subchefe da PSP, para 15 minutos depois sair o director de percurso, tudo isso para que os participantes tivessem sempre os caminhos desimpedidos. 

O 101 era Filipe Correia com o seu Land-Rover 110 Pic-Up bem artilhado oriundo de Portugal Continental a convite do Bar O excesso e a Revista 4x4, saiu para a estrada ás 9h01 saindo os restantes de minuto a minuto para terminar com uma viatura dos Bombeiros e outra dos Serviços Médicos.

A manhã prometia tanto pelo Sol que apareceu atrevido, como pelas estradas que estavam ainda muito húmidas da noite e que muitas vezes as viaturas mais pareciam fazer patinagem. Percorreu-se desde Câmara de Lobos até á Calheta passando pela Ponta do Sol e Madalena mas a serpentear as serras que uma hora estávamos em cotas altíssimas como daí a um instante estávamos ao pé do mar.

 A um terço do final da secção apareceu um controlo a oferecer aos participantes um bolinho e um "suminho" que agradou mesmo os menos gulosos ou em dieta.

Finalmente chegada á Calheta, era hora do almoço e mais uma vez e á semelhança do ano passado, foi servido o almoço em Bufete junto á piscina numa unidade hoteleira junto ao mar.  

Eram 15h00 quando começou a secção da tarde e para atingir o final que era na Encumeada, os participantes tiveram que passar pelo Estreito da Calheta, Prazeres e Paul da Serra (único planalto da ilha). Nesta secção os participantes encontraram serras muito verdejantes misturadas com flores e quanto ás estradas tiveram que enfrentar pisos com muitas valas, muitas linhas de água.  

Na Encumeada, o jantar servia-se numa pousada afim dos participantes recuperarem forças para a secção nocturna que foi Serras do Estreito e que muito trabalho deu aos condutores dado que as estradas mais pareciam ribeiras cheias de calhaus e com valas. Mas finalmente era o final do evento e aí no centro do Estreito de Câmara de Lobos num Pub local estava á espera de todos uma bebida para se descontraírem.

Domingo, dia 17 a organização arregaçou as mangas para trabalhar logo de manhã, para proporcionar uma bela pista de obstáculos no Cabo Girão, que num comprimento de aproximadamente 300 metros fazemos 700 de pista com subias e descidas serpenteando as árvores fazendo passagens por poços de águas enlameiradas, fazendo cruzamentos de eixos , fazendo descida vertiginosas enfim é uma festa do TT,  que normalmente trás muitos espectadores que mas este ano ultrapassou o previsto,  com aproximadamente uns 3000 espectadores.  

Depois de 80% dos participantes fazerem a pista, já era tarde e muitos deles ainda aproveitaram para irem a casa tirarem um pouco de lama de cima de si para o esperado Jantar de entrega de prémios que mais uma vez foi pequeno esgotando os 260 lugares.

Segundo a opinião da maioria dos participantes e dalguns jornalistas que acompanharam o evento a organização concluiu que este foi um ano altamente positivo em todos os aspectos.

GRUPO DESPORTIVO ESTREITO (MADEIRA) 
Trindade Silva  (Abril de  2001)

 

O conteúdo das mensagens,  noticias e artigos  é de inteira responsabilidade dos seus autores.
O TTVerdePT reserva-se o direito de não publicar textos que considere menos adequados ou ofensivos.

| Home | Eventos | Opinião | Noticias | Citações | Arquivo | Contacto | Links | Associações | Zaping | Clássicos | Álbum |


Alojamento Maxideia